As crianças Índigo, conhecidas como Almas Velhas ou Antigas, são oriundas de várias Constelações espiritualmente muito avançadas  que desceram ao Planeta a partir dos anos 40 do Século passado, com o propósito de transformar velhos paradigmas de uma Sociedade doentia.

Não admitem falsidade, mas sim tentarem perceber o porquê das coisas.

Não se cansam de perguntar enquanto não entenderem.

Sabem que têm uma missão.

Embora desconhecendo-a, têm noção que o Planeta precisa da sua ajuda para modificar esta Sociedade, onde uma maioria se encontra mergulhada na escravidão.

Como são muito sensíveis, sentem alguma frustração, quando numa conversa de seu interesse,  o parceiro não entende. Tornam-se arrogantes.

No entanto, são crianças muito amáveis, repletas de Amor Incondicional.

Por sua vez, não gostam de ser contrariadas e quando isso acontece mostram sua insatisfação através de atitudes pouco dignas, que podem chegar à ansiedade e por vezes terminarem sua missão terrena, pelo suicídio.

Eles não estão aqui para aprender, mas sim para ensinar.

Segundo alguns pesquisadores, estas crianças possuem uma estrutura cerebral diferente das outras pessoas.

O Hemisfério esquerdo do cérebro é menos desenvolvido que o Hemisfério direito.

Muitos pais e devido à grande hiperatividade de alguns, acham estranho e não percebem porque são assim.

Como não compreendem, pensam tratar-se de uma doença. Vão a um médico,  preocupados com o comportamento de seu(s) filho(s).

Se for um médico índigo, logo compreende esta atitude e tenta explicar aos pais que não se trata de uma doença, mas sim um modo de reagir perante a Sociedade que não os entende.  

No entanto há outros clínicos que desconhecendo estes Seres,  normalmente receitam ansiolíticos e outras drogas, que só vão atrasar o despertar destas crianças.

Quando estiver perante uma criança Índigo, converse com ela considerando-a adulta. Só assim a irá compreender.

Lenise Lucena através deste vídeo, dá uma explicação bastante elucidativa, sobre estas crianças.

Publicado em
13/5/2022
na categoria
Filmes e vídeos
Clique para ver mais do autor(a)
Francisco J. Cabral

Mais do autor(a)

Francisco J. Cabral

Ver tudo