Um tema que requer muita atenção e vamos desenvolver num dos capítulos, enquadrados no campo da Espiritualidade.

Como normalmente definimos nosso Corpo Físico?

Embora uma parte de nós o defina como uma estrutura física densa, sujeito a nascimentos, doenças, velhice e mortes,

Esta não é a realidade.

Não somos isto.

É uma noção totalmente errada da nossa verdadeira realidade, porque esta mesma realidade está para além do nascimento e da morte.

Isto deve-se às limitações da mente concreta.

Ao  termos perdido o contacto com o nosso Ser (Nosso Eu Superior), criámos um Ego que tem todas as capacidades para gerar crenças ilusórias a seu belo prazer, ou seja, uma separação para justificar, além de outras, uma das nossas e mais temíveis ilusões:

O Medo.

E é nesta base que o Corpo físico se torna naquilo que cremos e não no que Somos.

Mesmo assim, não deixemos de dar importância ao nosso corpo, porque dentro dele habita a verdadeira Essência:

Aquela parte feita  à imagem e semelhança do Criador.

Aquela que é a nossa verdadeira natureza e símbolo da impermanência de nascimento e morte.

É ai que se oculta o esplendor da nossa realidade essencial e imortal.

Quando quisermos buscar a nossa verdade, não prestemos atenção a tudo o que nos rodeia.

Ela não está cá fora.

Habita no interior do nosso corpo

Nunca lutemos contra o nosso corpo, porque se assim o fizermos estamos lutando com a nossa própria realidade.

Nós somos os nossos corpos.

Porque essa parte visível e tangível é muito ténue e ilusória.

Quando em artigos anteriores fizemos aquela célebre pergunta:

“Quem somos Nós?”,

Ela não foi feita ao acaso, mas sim para destacarmos que somos “Seres Multidimensionais” e que para nos experienciarmos, necessitamos de um Corpo Físico, para fazermos face ao meio ambiente e que sem ele não poderíamos cumprir nossas missões, como por exemplo, o exercício de profissões.

Reparemos que nós não somos nossos nomes, nem nossas profissões.

Um nome é uma designação e uma profissão é uma função a cumprir por esse Ser Multidimensional.

Também serve para experiência do Todo.  

Em face do exposto concluímos que dentro desse corpo, há um corpo invisível, que é a porta para o nosso Ser, para a Nossa Vida Não Manifestada.

Segundo uma parábola de Jesus, será como construir duas casas:

Uma feita de areia (CorpoFísico). Se houver uma tempestade ela não sobrevive.

A outra, cavada bem funda no interior até encontrar superfície segura (Corpo Interior),para não haver cheia que a demova.

É dentro desta última casa, que estamos conectados à vida única não manifesta, onde não há nascimento nem morte, mas sim um eterno presente.

Concluímos que através do nosso Corpo Interior, estamos conectados à Mente Cósmica ou Deus.

Essa conexão é permanente e quanto mais a sentirmos, mais elevada será a nossa frequência.  

 

Publicado em
11/1/2022
na categoria
Espiritualidade Quântica
Clique para ver mais do autor(a)
Francisco J. Cabral

Mais do autor(a)

Francisco J. Cabral

Ver tudo