Com o rosto manchado pelo branco, suspenso num emaranhado de fios de suor, acelerou o passo vestido de sensações de abandono e solidão.

Capucha na cabeça, não fosse o diabo tecê-las e apanhar uma mazela, fez chorar as pedras da calçada.

Pelo caminho, vinda de deitar a água, encontrou a comadre Belmira.

-Bom dia comadre Belmira, como está 'vocemessê'?

-Venha com Deus e Nossa Senhora, tia Maria! Então a que horas chegará, amanhã, a nossa gente?!

-Pelo que me disse a Dona. Lurdes, o Manel ligou para o posto público, dizendo que chegariam para a ceia!

-Que Deus Nosso Senhor os guie para que nada de ruim lhes aconteça! Ouvi dizer que a Suíça, fica lá nos fins do mundo!

-Ó comadre Belmira, para onde nossos filhos foram obrigados a ir, à procura do pão nosso de cada dia!! Aqui, nesta maldita terra, já nada há! Foi-se tudo, foi-se tudo com o tempo! Estas modernices roubaram nossa paz e nossa gente!

Vou-me lá que tenho a massa a levedar!

Até logo e vá com Deus!

Acelerando as passadas para recuperar o perdido, correu contra o vento, para o forno. Rapidamente lhe encheu a barriga de ramos de pinheiros, tão escuros como os corvos que esvoaçavam na torre da igreja e lhe punham o coração num cesto!

Da garganta do forno sopravam labaredas, que ardiam nas tragédias da sua vida.

A sua alma nua envolta naquelas brumas de fogo, cicatrizou, por momentos, as feridas que a vida tatuou na sua memória.

Naquele infinito finito, tudo ardeu!
Ardeu o ar, ardeu o chão e ardeu o sangue nas suas veias secas pelos desgostos!

O forno já deveria ter chegado à temperatura ideal, mas a tia Maria precisava tirar a prova dos nove!

Pegou numa folha de jornal que apanhou na taberna da tia Jacinta e colocou-a à soleira do forno. A folha imediatamente foi engolida pela boca ardente e em cinzas vivas se tornou! Repetiu a operação com uma folha de caldo, que tinha levado da horta. A folha ficou mais enrugada que a pele do seu rosto!

-O forno está no ponto!

A massa espera-me a sorrir...

Publicado em
30/9/2021
na categoria
Caminhos na História
Clique para ver mais do autor(a)
Celeste Almeida

Mais do autor(a)

Celeste Almeida

Ver tudo